Buscar
  • Barbara Leite Liberato

Onde mora o coração?

É chegado o momento de bater as asas e voar! Não é certo se eles retornarão para a casa algum dia. A única certeza é que eles precisam ir. Mas como fica o coração dos pais? Dá medo, angústia e muitas incertezas. Por outro lado, os ganhos podem ser imensos.

Raul Vilela em Ouro Preto -MG



Din don... Din don...


Espero ansiosa do lado de fora. Um jovem que não conheço ainda, abre a porta. Muito gentil e alegre me acolhe, há outros por ali, na sala, uns conhecidos, outros rostos novos. Fazemos as apresentações, deixo minha malinha no canto e vou para sacada da sala apreciar a vista. Suspiro de admiração, no horizonte ainda com um pouco de neblina. O pico do Itacolomy discretamente começa a aparecer. Ao longe um sino das muitas igrejas começa a badalar, dando um toque de magia ao momento.

É real, bem real, estou na casa do meu filho ou melhor na República, uma casa centenária, cheia de jovens - 14 para ser mais exata - e dois cachorros. Aqui vou ficar alguns dias. Parece loucura? Como diz os jovens de hoje: “normal”, “relaxa”!

Com poucas horas as coisas vão clareando, assim como nas nossas casas, eles têm hierarquia e regras bem definidas. Afinal, quem não gosta de ordem?

Vocês pensam que eu viro diarista? Bem, no primeiro momento dá vontade de arrumar umas coisas, mas rapidinho me coloco no meu lugar, não vim aqui para colocar ordem, nem fiscalizar. Sou MÃE!

Chegar no ambiente dos jovens requer jogo de cintura, equilíbrio, espírito de aventura e uma dose grande de amor.

Ouro Preto - MG


Quero curtir meu filho, conversar, cozinhar, passear, visitar a Universidade, andar de ônibus, conhecer os lugares que ele frequenta, os amigos, me misturar nas ruas de Ouro Preto - MG. Aproveitar para conhecer as igrejas e rezar pedindo a cada Santo que proteja o meu filho e todos os que convivem com ele! Sair para comer as inúmeras delícias que tem nesta cidade. Afinal com a mãe pode! Estudante não frequenta certos lugares, o recurso é limitado.

O ponto Alto da visita é no almoço ou jantar feito por mim na república. Estes momentos são uma verdadeira delícia! Começo os trabalhos sozinha, bem, nem tão sozinha, o primeiro a chegar é o pitbull, seguido pelo fox paulistinha, como já somos amigos sigo tranquila e aos poucos os garotos vão chegando. Gentilmente, sem ninguém pedir, começam a ajudar.

Meu filho está na faculdade, assim como outros. A cozinha vira festa, os cheiros se misturam. As vozes, as risadas e o café parecem brotar na garrafa. O almoço vai ganhando forma, assim como nossas conversas. As opiniões são dadas sem vergonha de julgamento, é tudo assustadoramente transparente, sem filtro. A namorada de um chega e o casal toma conta da sobremesa. Neste ambiente gostoso perdemos a pressa e nos aprofundamos nos temas. Esperamos todos que estão disponíveis para o almoço, rezamos de mãos dadas, agradeço a Deus por cada um, por suas famílias e pela oportunidade deste encontro. Detalhe: aqueles que têm compromisso e chegam mais tarde, tem comida e sobremesa guardada pelos amigos. Muito zelo.

Olho em volta e vejo o quanto estes meninos/homens são fortes, corajosos. Eles dão suporte uns aos outros, são sensíveis às situações de cada um, se cuidam como família, lidam com questões financeiras e até aqueles que já passaram por ali há alguns anos continuam presentes. Quando terminarem este ciclo terão um diploma e inúmeras habilidades preciosas para a vida.


Já ouvi de amigas que quando chegar a hora do filho morar fora para estudar vai ser muito difícil e sofrido, não sabem se vão conseguir.

Como mostrei, conseguem sim! Deixar claro qual é o propósito do projeto é fundamental para o jovem e para os pais. Esforço e empenho coletivo são necessários. Dificuldade, sofrimento, saudade, preocupação e adaptação fazem parte do processo.

É nascer de novo e com este nascimento vem liberdade, responsabilidade, amor maduro, confiança, transpor a barreira de pré-conceitos, acompanhar dando espaço para erros e acertos. Como afirma Jane Nelsen e Lynn Lott “(...) responsabilidade e uma atitude realista em relação à vida.”

Passar este tempo com os filhos no espaço deles é revelador, a gente não só sobrevive como vive intensamente! Quem tiver oportunidade, faça-o.

Onde mora um filho, ali mora um pedaço do nosso coração !



Dica de Leitura- Disciplina Positiva para adolescentes – Jane Nelsen e Lynn Lott







Sobre Maria Marquez

Sou uma menina que sempre quis casar e ser mãe, hoje uma mulher realizada, casei com meu amor de adolescência, sou mãe de três garotos (Raul 23; Artur 20; Davi 18), pedagoga, secretaria do agronegócio, voltando às raízes, morando na fazenda, me redescobrindo e experimentando um universo de novidades.




Maria Marquez Gouveia Vilela

Pedagoga

Secretária do agronegócio da família

(99) 991318999 - mariamarquezgv@gmail.com

@mariamarquez9128

221 visualizações

Posts recentes

Ver tudo