Buscar
  • Barbara Leite Liberato

Eternos Namorados: Por que nos casamos?


Ninguém se casa pensando que ao final do mês as contas não irão bater com os boletos que precisarão ser quitados. Ninguém se casa para brigar no café da manhã e passar o resto do dia sem se falar. Ninguém se casa para passar as noites de costas um para o outro, afinal “não se ponha o sol sobre o vosso ressentimento” (Efésios 4, 26). Ao se casar, ninguém faz ideia da mega operação que precisará ser montada para equilibrar o eu, o nosso e as crianças. Por que a gente se casa?


Nos casamos porque o olhar um do outro traz afeto, carinho, frio na barriga e faz o coração acelerar. Nos casamos porque o toque um do outro traz arrepios e também uma sensação de que pertencemos àquele lugar. Nos casamos porque o nosso coração palpita para fora do peito, vai ao encontro do outro e o traz para perto de nós. Nos casamos porque já não é possível manter a distância enquanto o que queremos mesmo é estar sempre juntos.

Enquanto eu empurro o carrinho de bebê pela milésima vez, ele está lá passando o café. Enquanto eu estou a ensinar a matemática e o português, ele está lá lavando a louça do jantar. Enquanto eu preparo o almoço de domingo, ele está lá construindo navios, carros e aviões de lego com as crianças. Enquanto eu faço um dormir, ele conta histórias para o outro se acalmar. Enquanto eu estou a ser mãetorista, ele está lá fora ganhando o pão de cada dia. E quando é a hora das minhas asas voarem mais alto, ele permanece no ninho sendo afago, segurança e carinho.

Porque casamento é assim, uma parceria, um ir e vir. Como livros, tem lágrimas manchando páginas, tem brigas que rasuram parte da história, há parágrafos destacados com marca-textos, frases de muito amor e calafrios, carinhas sorrindo, carinhas tristes. No meio do caminho há leituras envolventes, há histórias picantes e há também desfechos nem um pouco interessantes. Palavras que carregam lições e aprendizados que nos movem pela vida . E aquelas que decidimos apagar e reescrever. Algumas páginas precisam ser relidas de tempo em tempo para que a memória seja ativada e os caminhos trilhados sejam relembrados.


Enquanto o café esfria na cozinha, enquanto as crianças estão a revirar a casa, enquanto o cachorro precisa tomar banho, enquanto o mais velho precisa sair, o mais novo está a chorar e a reclamar. Enquanto o caos está a todo vapor, é nessa hora que nossos olhares se reencontram, que a gente respira fundo e escolhe recomeçar. Porque o olhar tem poder de cura, tem poder de colo, tem poder de ressignificar. Sem dizer uma só palavra, somos ouvidos, colo e segurança para as crianças. Às vezes tomamos o café frio, meio fora de hora. O cachorro? Ele pode ficar mais um dia sujo. Porque nós somos prioridade um para outro.


O olhar que um dia despertou um sorriso meio sem graça, mas cheio de vida ainda está lá. O toque que despertava loucuras ainda existe. As palavras de carinho estão ali na próxima página. E os sonhos que um dia sonhamos juntos, foram agora reinventados e aprimorados, sem medo de ser feliz.


Um “sim” traz grandes mudanças. Novas escolhas e possibilidades. Mas algumas coisas permanecem intactas, eu diria que o olhar é uma delas. É com ele que as novas juras de amor são adaptas em meio ao maternar, à rotina, ao estresse e aos deveres. É com ele que as piadas e as risadas internas acontecem. É ele que liga e desliga o nosso wi-fi de casal. É ele que conta as más notícias e faz as mais criativas declarações. Ah esse olhar, capaz de incendiar qualquer amor e paixão. O olhar é o ponto de partida para o começo e para a celebração de cada um desses reencontros. Feliz dia dos namorados a todos os casais que a cada dia renovam o “Sim” e escolhem ser eternos um para o outro.



Sobre a autora:

Bárbara Leite Liberato é casada com Fernando Liberato, mãe de duas crianças extraordinárias João Paulo, 5 anos e Gabriel, 2 anos. A vida toda quis ser mãe e formar uma família, casou com o grande amor da adolescência e juntos educam os filhos dentro da Parentalidade Positiva. Tem como missão de vida capacitar pais e mães para utilizarem as ferramentas da Disicplina Positiva e da Parentalidade Positiva junto aos filhos. Ler e escrever é uma paixão na vida.

Bárbara Leite Liberato

Educadora Parental em Disciplina Positiva

Membro da PDA / Brasil

Jornalista e Advogada

Especilista em Parentalidade Positiva pela Escola de Parentalidade e Educação Positivas de Portugal

Especializando em Neurociência e Comportamento - PUC/RS

Idealizadora e Editora do blog cheirodemae.com.br

(99) 981326509 - barbaraleiteliberato@hotmail.com

@barbaraleiteliberato

4 visualizações

Posts recentes

Ver tudo