Buscar
  • Barbara Leite Liberato

Como deve ser minha alimentação no período da amamentação?


João Gabriel nos braços da Mamãe Sabrina Cindy após a amamentação



Amamentar é um momento muito especial tanto para a mamãe quanto para o bebê. É um turbilhão de sentimentos quando temos um recém-nascido em nosso peito. AMARmentar é um ato que envolve muita doação, carinho e uma troca de afeto através do olhar. É este momento que fortalece o vínculo entre mãe e filho. O leite materno é a melhor maneira de alimentar o bebê recém-nascido. Esse contato, além de garantir a sobrevivência do bebê, vai humanizá-lo.


Nessa fase, é muito comum que as mães fiquem com dúvidas sobre como se alimentar para que o desenvolvimento do bebê seja adequado. Dúvidas sobre quais alimentos se pode comer, o que interfere no ganho de peso do bebê, o que causa as temíveis cólicas, entre outros questionamentos.

A alimentação da mamãe que amamenta deve ser parecida à de uma mulher adulta normal, pois ela precisa de nutrientes suficientes para seu próprio organismo e para a produção de leite, por isso deve-se aumentar a quantidade de calorias ingeridas por dia, mas deve ser orientada corretamente por profissional capacitado, pois devem ser inseridos alimentos que são fontes de “gorduras boas” além de observar como foi a alimentação na gestação e o ganho de peso naquele período. Não é o momento adequado para “fazer dietas com restrição”, enquanto estiver amamentando nada de tentar perder peso, pois essa perda vai ser natural e progressiva.

É importante destacar que comer demais também não é o recomendado. Tomar cerveja preta, canjica ou chá de burro, não vai fazer você aumentar a produção de leite. Isso é Mito. O que aumenta a produção de leite é a sucção do bebê no peito.

Quanto às cólicas do bebê Há um processo fisiológico, normal, em que alguns bebês sentem mais ou menos e há aqueles que não sentem nada - Sonho de toda mãe. Não há alimento que faz bem ou mal para todos - É individual, cada criança tem uma reação que deve ser avaliada pelo pediatra e pelo nutricionista. Algumas orientações que costumo passar para minhas pacientes, em geral, é que coloquem o feijão de molho por pelo menos 12 horas antes de cozinhar (a água deve ser trocada antes do cozimento), isso faz com que seja eliminado na água algumas substâncias como fitatos, polifenois e os oligossacarídeos, que podem causar desconforto gastrointestinal na mãe e no bebê; evitar alimentos ácidos, pois também podem causar algum desconforto, evitar bebidas gaseificadas e não ingerir bebidas alcóolicas. Em casos de processos alérgicos deve-se procurar um profissional de sua confiança.

Uma outra recomendação muito importante é que a mamãe tenha uma boa ingestão de água, e que sua alimentação seja o mais natural possível, evitando produtos ultraprocessados.


Um abraço cheio de afeto.


Sobre a autora:

Fabricia Azevêdo é casada com Bruno Liberato, mãe de 3 filhos (Rafael, 12; João Vitor 7; e o terceiro filho está no céu). Uma mãe que mudou a sua vida para cuidar da saúde e alimentação dos filhos. Apaixonada pela vida e pela profissão.




Fabrícia Azevêdo

Nutricionista Materno Infantil - CRN-6: 27623

Clínica PAI. (99) 99989-5821/ 3525-6965

Pós Graduada em Nutrição em Obstetrícia, pediatria e adolescente

Modulação Intestinal

Disciplina Positiva na Alimentação Infantil

Consultora em Aleitamento Materno

@fabriciaazevedo.nutri



19 visualizações

Posts recentes

Ver tudo